segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Há uma razão para escolher Deus em primeiro lugar!


LIÇÃO 50

É o Amor de Deus que me anima.

1. Eis aqui a resposta a todos os problemas com os quais te defrontarás hoje e amanhã e ao longo do tempo. Neste mundo, tu acreditas que tudo te dá forças, menos Deus. Colocas tua fé nos símbolos mais insignificantes e loucos; pílulas, dinheiro, roupa "de proteção", influência, prestígio, ser querido, conhecer as pessoas "certas" e uma infinidade de formas do nada às quais dotas de poderes mágicos.

2. Todas estas coisas são teus substitutos para o Amor de Deus. Todas estas coisas são alimentadas para assegurar uma identificação com o corpo. Elas são cantos de louvor ao ego. Não ponhas tua fé naquilo que é inútil. Ele não te dará forças.

3. Só o Amor de Deus te protegerá em todas as circunstâncias. Ele te elevará acima de todas as provações e te erguerá bem alto, acima de tudo o que se considera serem os perigos deste mundo, na direção de um clima de paz e segurança perfeitas. Ele te transportará a um estado de espírito que nada pode ameaçar, nada pode perturbar e no qual nada pode se intrometer na serenidade eterna do Filho de Deus.

4. Não ponhas tua fé em ilusões. Elas te abandonarão. Põe toda a tua fé no Amor de Deus dentro de ti; eterno, imutável e infalível para sempre. Esta é a resposta para qualquer coisa que enfrentares hoje. Por meio do Amor de Deus em ti podes resolver todas as aparentes dificuldades sem esforço e com confiança infalível. Dize isto a ti mesmo com frequência hoje. É uma declaração de libertação de tua crença em ídolos. É teu reconhecimento da verdade a teu próprio respeito.

5. Por dez minutos, duas vezes hoje, pela manhã e à noite, deixa a ideia para hoje mergulhar profundamente em tua consciência. Repete-a, pensa a respeito dela, deixa que ideias afins venham te ajudar a reconhecer sua verdade, e permite que a paz flua sobre ti como um manto de proteção e segurança. Não deixes que nenhum pensamento inútil e tolo entre para perturbar a mente santa do Filho de Deus. Assim é o Reino do Céu. Assim é o local de repouso em que teu Pai te colocou para sempre.

*

COMENTÁRIO:

Explorando a LIÇÃO 50

"É o Amor de Deus que me anima."

O que sou?

O ponto de partida para todas as vidas e para tudo na vida está nesta pergunta: "O que sou"?

Responde a esta pergunta e terás alcançado o sentido para tua vida, para toda vida que percebes, para tudo o que vês.

É na direção da resposta a esta pergunta que todos caminham. Que caminhamos todos.

E uma, e apenas uma, coisa nos anima: o Amor de Deus. Nada mais. Um poema português, que fala a respeito da morte de Isabel de Portugal, diz: 

"Nunca mais servirei senhor que possa morrer... 
Nunca mais amarei quem não possa viver sempre..."

Isto explica a razão pela qual devemos pôr Deus em primeiro lugar? Por que a única coisa que nos anima é o Amor de Deus?

A lição de hoje pode nos dar as respostas que buscamos. Comecemos, pois, com ela:

Eis aqui a resposta a todos os problemas com os quais te defrontarás hoje e amanhã e ao longo do tempo. Neste mundo, tu acreditas que tudo te dá forças, menos Deus. Colocas tua fé nos símbolos mais insignificantes e loucos; pílulas, dinheiro, roupa "de proteção", influência, prestígio, ser querido, conhecer as pessoas "certas" e uma infinidade de formas do nada às quais dotas de poderes mágicos.

Não é bem verdadeiro que, em geral, neste mundo, nossa atenção está voltada para os "símbolos mais insignificantes e loucos"? Acreditamos precisar do último modelo de telefone celular, do carro mais moderno e potente, da receita do novo creme que vai impedir nosso envelhecimento, nos tornar novamente jovens, e nos devolver a aparência de garotos ou garotas de 18, 19 anos. Ou a nova dieta que vai nos colocar em corpos de modelos, que, por sua vez, obedecem a um padrão que não é nem de longe o que os/as fazem felizes. Ou... uma infinidade de outras coisas a que vamos nos apegar para esquecer que é preciso que nos voltemos para dentro para aprender o que somos.

Será que é isso que vai e pode responder à questão primordial acerca de nossa identidade? Ou será que é só isso que somos: corpos?

Será que é nisso que podemos confiar: pílulas, dinheiro, influência, prestígio, conhecer as pessoas certas [a pessoa que vem é a certa, lembram?]? Não vimos há pouco que há um Único Poder em que confiar?

E o que são estas coisas a que pensamos dever dar nossa confiança?

É a lição que responde. Assim:

Todas estas coisas são teus substitutos para o Amor de Deus. Todas estas coisas são alimentadas para assegurar uma identificação com o corpo. Elas são cantos de louvor ao ego. Não ponhas tua fé naquilo que é inútil. Ele não te dará forças.

Se pararmos para pensar em todas as coisa que passaram por nossa vida, qual delas ainda está conosco, desde que tivemos um mínimo de consciência de estar aqui, neste mundo, desde que, como se diz, "nos conhecemos por gente"?

Quantas são as pessoas com quem tivemos algum contato e que ainda permanecem em nossa vida [há uma música de Oswaldo Montenegro, se não me engano, que faz esta mesma pergunta]? E quantas foram as que nos decepcionaram, prometendo alguma coisa que não cumpriram? E a quantas decepcionamos, fazendo com que saíssem de nossa vida? Quantas vezes pensamos, ao conhecer alguém, que aquela era a pessoa certa [e, de fato era, naquele momento]? Que era ela o amor que preencheria nossa vida vazia e carente?


É o Amor de Deus que me anima.

Em geral, pensamos em nós mesmos como seres incompletos, imperfeitos, metades que buscam outra metade de si para poderem viver a completude. Não é assim que se diz: "estou à procura de minha cara-metade", a outra metade da maçã, ou da laranja? Uma letra de música recente diz até: "procuro um amor que ainda não encontrei, diferente de todos que amei".

Mas isso não é verdade. Não é possível não encontrar o amor. O amor, que é o que somos, na verdade, está em nós mesmos, nunca é incompleto e só pode aumentar e se estender ao ser dado.

Aqueles de nós que dizem se encontrar "sem amor", ou que dizem estar "à procura de um amor" que ainda não encontraram estão a procurar fora de si mesmos. Em alguém ou em alguma coisa. Não buscaram encontrá-lo no interior de si mesmos. E é só lá que vão achá-lo. E só vão achá-lo, quando começarem a compartilhá-lo.


É o Amor de Deus que me anima.

Esperar que o amor se apresente, vindo de alguém ou de algum lugar é acreditar nas ilusões românticas com as quais o ego espera que substituamos o Amor de Deus.

No entanto, a lição ensina:

Não ponhas tua fé em ilusões. Elas te abandonarão. Põe toda a tua fé no Amor de Deus dentro de ti; eterno, imutável e infalível para sempre. Esta é a resposta para qualquer coisa que enfrentares hoje. Por meio do Amor de Deus em ti podes resolver todas as aparentes dificuldades sem esforço e com confiança infalível. Dize isto a ti mesmo com frequência hoje. É uma declaração de libertação de tua crença em ídolos. É teu reconhecimento da verdade a teu próprio respeito.

Todas as ilusões estão destinada ao desaparecimento. Nascer, crescer, desabrochar, mostrar-se toda beleza em flor e fenecer é o destino da rosa e de todas as flores. Nascer, crescer, desabrochar, florir e tornar-se fruto é o destino que espera todos os frutos, para, depois de maduros, colhidos, se transformarem em alimento e desaparecerem. Mas uma rosa colhida, ao murchar e morrer, não determina o fim da roseira que, novamente e novamente, vezes sem conta, vai oferecer suas flores ao mundo. Nem a colheita dos frutos, ou sua queda pura e simples das árvores, marca a morte da árvore de onde o fruto brotou. Tudo se renova e recomeça de forma cíclica. E os ciclos parecem ser eternos. É assim a vida neste mundo.

Nós, nos corpos, experimentamos a ilusão de estar vivos e de sermos corpos dotados de sentido, destinados a fenecer e a desaparecer, mas a vida, que é a dádiva de Deus, não morre jamais. Terminado o tempo durante o qual escolhemos viver a experiência do corpo, voltamos à Fonte, a Deus, de onde, aliás, nunca saímos, a não ser na ilusão do ego, que quer nos fazer acreditar que somos apenas corpos. A questão básica é: somos capazes do desapego, das coisas do mundo, do corpo, da vida que aparentemente anima o corpo? 

Uma historinha, retirada do livro "Contos filosóficos de mundo inteiro", de Jean-Claude Carrière, pode nos dar uma pista daquilo que precisamos ser capazes de fazer. Diz assim: 

"Um jovem extremamente bem dotado, mas cuidadoso para não se ligar a nada, como os preceitos dos sábios recomendavam, encontrou um viajante que fumava um cachimbo e o imitou. Quando sentiu que começava a adquirir o gosto pelo fumo, desistiu.

"Ele encontrou um astrólogo que o ensinou a ler o destino dos humanos nas estrelas e, assim, a ganhar, muito desonestamente, a vida. Ele se tornou um astrólogo perito, mas, quando se deu conta de que tinha prazer em ludibriar seus semelhantes com uma pseudociência, desistiu.

"Ele se lançou na caligrafia, na qual excedeu e da qual desistiu, com medo de se ligar àquela forma artística. Tornado monge em um convento, ele recebeu do superior a oferta de sucedê-lo depois da sua morte. Ainda que seduzido pela ideia, desistiu dela, por receio de se ligar àquela promoção, e abandonou o convento.

"O mesmo aconteceu com a pintura, o teatro, o canto e a arte do sabre. Depois que conheceu o sucesso em cada uma dessas disciplinas, renunciou a elas, ainda com medo de se sentir ligado a qualquer coisa.

"Quando sentiu que seu fim se aproximava, mandou chamar um médico famoso, que o examinou. O doente parecia preocupado em se curar.

" - O que devo fazer? - ele perguntou ao médico, com uma espécie de ansiedade.

" - Que posso dizer? - respondeu-lhe o médico. - Você é tão ligado à vida que quer conservá-la a toda força?"


É o Amor de Deus que me anima.

Os corpos, como eu dizia acima, as formas que escolhemos, precisam nascer, crescer, amadurecer, e vão se deteriorar no tempo, como todas as coisas no, e do, mundo. Ao longo do tempo em que experimentamos viver o que nos oferecem os sentidos e a percepção, passamos por muitas situações, enfrentamos muitos perigos e adversidades. Muitas vezes pensamos ser necessário à sobrevivência, como se diz comumente, "matar um leão por dia".

Isso tudo se dá, porém, apenas no nível da matéria, o nível da ilusão. Como diz Joel Goldsmith em seu livro A Arte de Curar pelo Espírito, o que chamamos de corpo não é nada exceto "um conceito material do corpo. É este conceito que nos atrapalha e nos emaranha em todas as espécies de males; mas o corpo em si não tem o poder de causar males. O corpo não tem o poder de causar o bem ou o mal, de produzir saúde ou doença; é a nossa concepção [do corpo] que se revela como corpo sadio ou como corpo doente".

E a lição diz:

Só o Amor de Deus te protegerá em todas as circunstâncias. Ele te elevará acima de todas as provações e te erguerá bem alto, acima de tudo o que se considera serem os perigos deste mundo, na direção de um clima de paz e segurança perfeitas. Ele te transportará a um estado de espírito que nada pode ameaçar, nada pode perturbar e no qual nada pode se intrometer na serenidade eterna do Filho de Deus.

É exatamente disto que trata o Curso nesta lição: de nos devolver ao que somos em Deus, protegendo-nos de todo e qualquer perigo deste mundo, ao nos indicar o caminho que pode nos conduzir a um estado de espírito que nada pode ameaçar, nada pode perturbar e no qual nada pode se intrometer na serenidade eterna do Filho de Deus.

Esse estado pode nos levar a compreender, como diz Goldsmith, que não somos um corpo material. Esta compreensão, pouco a pouco, vai dissipar o conceito materialista do corpo, fazendo-nos perceber que não existe "poder algum no mundo visível, que não há poder algum no corpo, nos órgãos e nas funções do corpo, assim como não há poder em bactérias e no alimento". Todo o poder nos foi dado, não à imagem falsa que temos e construímos de nós mesmos via ego, mas ao que somos na verdade.

Isso é que vai nos fazer compreender de que fala Goldsmith quando diz: "não tens saúde porque teu coração funciona normalmente - mas ... teu coração tem saúde porque existes harmoniosamente. Tu não andas porque tuas pernas funcionam bem - mas as tuas pernas andam porque tu és harmonioso. Fisicamente, tu tens saúde somente porque o teu corpo é sadio; mas espiritualmente tens saúde e integridade porque a tua integridade governa a atividade do teu corpo".
 
É o Amor de Deus que me anima.

Saber disso, compreender isso, praticar e aplicar esta ideia é que vai mostrar que somos nós que dominamos o corpo, pela consciência de nossa verdadeira natureza. Esta consciência reverterá em saúde também para todos que se aproximarem de nós.

Terminemos assim nossa exploração com o que a lição nos orienta a fazer neste dia:

Por dez minutos, duas vezes hoje, pela manhã e à noite, deixa a ideia para hoje mergulhar profundamente em tua consciência. Repete-a, pensa a respeito dela, deixa que ideias afins venham te ajudar a reconhecer sua verdade, e permite que a paz flua sobre ti como um manto de proteção e segurança. Não deixes que nenhum pensamento inútil e tolo entre para perturbar a mente santa do Filho de Deus. Assim é o Reino do Céu. Assim é o local de repouso em que teu Pai te colocou para sempre.

Às práticas?

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Só se acreditares que é possível o caminho se abrirá


LIÇÃO 49

A Voz de Deus fala comigo durante todo o dia.

1. É bem possível escutar a Voz de Deus durante todo o dia sem interromper tuas atividades normais de modo algum. A parte de tua mente na qual a verdade habita está em comunicação permanente com Deus, quer estejas ciente disso quer não. É a outra parte da tua mente que atua no mundo e que obedece às leis do mundo. É esta parte que está constantemente distraída, desorganizada e é muito inconstante.

2. A parte que ouve a Voz por Deus é calma, está sempre em paz e é totalmente segura. Ela é, de fato, a única parte que existe. A outra parte é uma ilusão louca, frenética e perturbada, mas destituída de qualquer tipo de realidade. Tenta não dar ouvidos a ela. Tenta te identificar com a parte de tua mente em que a serenidade e a paz reinam para sempre. Tenta ouvir a Voz de Deus te chamar amorosamente, lembrando-te de que teu Criador não Se esqueceu de Seu Filho.

3. Hoje precisamos pelo menos quatro períodos de prática de cinco minutos, e mais, se possível. Tentaremos, de fato, ouvir a Voz de Deus fazendo-te lembrar d'Ele e de teu Ser. Vamos nos aproximar com confiança destes pensamentos que são os mais felizes e santos, sabendo que, ao fazê-lo, estamos unindo nossa vontade à Vontade de Deus. Ele quer que ouças Sua Voz. Ele A deu a ti para ser ouvida.

4. Escuta em profundo silêncio. Fica muito sereno e abre tua mente. Ultrapassa todos os guinchos estridentes e todas as fantasias doentias que encobrem teus pensamentos verdadeiros e escondem tua ligação eterna com Deus. Mergulha profundamente na paz que espera por ti além dos pensamentos frenéticos e desenfreados e das cenas e sons deste mundo louco. Tu não vives aqui. Estamos tentando alcançar teu lar verdadeiro. Estamos tentando alcançar o lugar aonde tu és verdadeiramente bem-vindo. Estamos tentando alcançar Deus.

5. Não te esqueças de repetir a ideia de hoje com muita frequência. Faze-o de olhos abertos quando necessário, mas fechados quando possível. E, sempre que puderes, certifica-te de te sentares tranquilamente e repetir a ideia para hoje, fechando os olhos ao mundo e percebendo claramente que convidas a Voz de Deus a falar contigo.

*

COMENTÁRIO:

Explorando a LIÇÃO 49

"A Voz de Deus fala comigo durante todo o dia."

Estamos chegando novamente a mais um ponto decisivo em nossa jornada. E a lição de hoje é mais um novo instrumento para facilitar a caminhada. Eu diria que ela é de certa maneira um modo diferente de praticarmos uma ideia anterior que dizia: Deus vai comigo aonde eu for.

Não lhes parece?

Mas, como vimos em relação àquela lição, precisamos buscar ter consciência da Presença para que, de fato, a experimentemos em nossos dias, também vamos ter de abrir espaço em nossa consciência para que esta lição seja a expressão da verdade para nós.

A lição começa assim:

É bem possível escutar a Voz de Deus durante todo o dia sem interromper tuas atividades normais de modo algum. A parte de tua mente na qual a verdade habita está em comunicação permanente com Deus, quer estejas ciente disso quer não. É a outra parte da tua mente que atua no mundo e que obedece às leis do mundo. É esta parte que está constantemente distraída, desorganizada e é muito inconstante.

Sim, sim, sei, é bem possível. Mas como fazer isso?

Basta que faças calar aquela "outra parte da tua mente que atua no mundo e que obedece às leis do mundo".

Pergunto de novo: - como fazer isso?

Voltando-te para  o interior de ti mesmo, é claro. Deixando que apenas a parte da tua mente que está em contato permanente com Deus fale contigo - ela é, aliás, a única parte verdadeira. Para isso é necessário atenção, disposição, decisão. Ou como eu disse outro dia me valendo de Joe Vitale:

"Se a Divindade está tentando nos guiar, precisamos silenciar para ouvir seus sussurros e sentir seus cutucões. Isso significa ficar em silêncio com mais frequência para praticar mais a meditação e ouvir mais as flores e árvores." 

Isto é, abrir-nos por inteiro a tudo o que se mostra a nós, como forma de ouvir que

A Voz de Deus fala comigo durante todo o dia.

Há um trecho do livro que afirma: "quando quiseres só amor, é só isso que verás". Isto é revelador do poder de teu querer. De teu poder quando te decides, quando te comprometes.

Vejamos o que a lição oferece a seguir:

A parte que ouve a Voz por Deus é calma, está sempre em paz e é totalmente segura. Ela é, de fato, a única parte que existe. A outra parte é uma ilusão louca, frenética e perturbada, mas destituída de qualquer tipo de realidade. Tenta não dar ouvidos a ela. Tenta te identificar com a parte de tua mente em que a serenidade e a paz reinam para sempre. Tenta ouvir a Voz de Deus te chamar amorosamente, lembrando-te de que teu Criador não Se esqueceu de Seu Filho.

É isso que precisas fazer! Na verdade, é isso que precisas querer fazer. Tentar não dar ouvidos à parte da tua mente que é apenas "uma ilusão louca, frenética e perturbada" e que está a maior parte do tempo "distraída, desorganizada e é muito inconstante".

Precisas saber  - ter consciência de - que a única parte de tua mente que é verdadeira, que existe de fato, é a parte que se mantém em contato e em comunicação permanente com Deus. É a partir dela que crias, ou co-crias, tua experiência de viver e estender o amor, a alegria e paz.

A Voz de Deus fala comigo durante todo o dia.

A verdade eterna das palavras desta lição está na ideia que praticamos. A questão é: queres de fato dar espaço para ouvir em ti a Voz por Deus?

Vamos refletir por uns instantes a respeito disso, antes de passarmos à próxima instrução que a lição traz:

Hoje precisamos pelo menos quatro períodos de prática de cinco minutos, e mais, se possível. Tentaremos, de fato, ouvir a Voz de Deus fazendo-te lembrar d'Ele e de teu Ser. Vamos nos aproximar com confiança destes pensamentos que são os mais felizes e santos, sabendo que, ao fazê-lo, estamos unindo nossa vontade à Vontade de Deus. Ele quer que ouças Sua Voz. Ele A deu a ti para ser ouvida.

O importante aqui é que tenhamos respondido de forma positiva à pergunta anterior. Só assim vamos nos comprometer de verdade a tentar ouvir a Voz de Deus. Não precisamos nos restringir às quatro vezes de cinco minutos. Se pudermos, se nossa disposição e a experiência com as práticas nos fizer perceber a Presença do divino em nós, podemos estender os períodos para ouvir a Voz por Deus por mais tempo.

A Voz de Deus fala comigo durante todo o dia.

Atenção à instrução que se segue, pois é este o modo de que vamos nos valer para fazer calar aquela parte da mente que só nos põe em contato com as ilusões.

Escuta em profundo silêncio. Fica muito sereno e abre tua mente. Ultrapassa todos os guinchos estridentes e todas as fantasias doentias que encobrem teus pensamentos verdadeiros e escondem tua ligação eterna com Deus. Mergulha profundamente na paz que espera por ti além dos pensamentos frenéticos e desenfreados e das cenas e sons deste mundo louco. Tu não vives aqui. Estamos tentando alcançar teu lar verdadeiro. Estamos tentando alcançar o lugar aonde tu és verdadeiramente bem-vindo. Estamos tentando alcançar Deus.

Agora já és capaz de te desligar, ainda que por breves momentos, do turbilhão de pensamentos com os quais o ego quer impedir que faças silêncio, para mergulhar em teu interior à procura da Presença de Deus, buscando ouvir a Voz que fala por Deus em ti.

Lembra-te mais uma vez do que dizia outra de nossas lições anteriores. É muito fácil e natural alcançar Deus, porque, na verdade, alcançá-Lo é "a única coisa natural no mundo". Mas lembra-te também de que o caminho só se abrirá, se acreditares que é possível.

Diferentemente do que pensas, talvez, é preciso praticar para acreditar, é preciso que aprendas a aplicar, em teus dias, em tua vida, nas situações que enfrentas, com as pessoas que encontras e com as coisas que percebes, as ideias que o Curso oferece.

Assim é importante ter em mente o que a lição sugere, por fim:

Não te esqueças de repetir a ideia de hoje com muita frequência. Faze-o de olhos abertos quando necessário, mas fechados quando possível. E, sempre que puderes, certifica-te de te sentares tranquilamente e repetir a ideia para hoje, fechando os olhos ao mundo e percebendo claramente que convidas a Voz de Deus a falar contigo.

Lembra-te de repetir a ideia tantas vezes quanto possível. De olhos abertos, de olhos fechados. No meio de tua atividade normal. Mas também busca parar em algum momento sempre que te for possível para convidar Deus a falar contigo.

Não queres ouvir o que Ele tem a te dizer?

Às práticas, pois!

sábado, 17 de fevereiro de 2018

O mundo é sonho, é ilusão. Não é criação de Deus.


LIÇÃO 48

Não há nada a temer.

1. A ideia para hoje simplesmente declara um fato. Não é um fato para aqueles que acreditam em ilusões, mas ilusões não são fatos. Na verdade, não há nada a temer. É muito fácil reconhecer isto. Mas, para aqueles que querem que as ilusões sejam verdadeiras, é muito difícil reconhecê-lo.

2. Os períodos de prática de hoje serão muito breves, muito simples e muito frequentes. Repete simplesmente a ideia tantas vezes quanto possível. Podes usá-la de olhos abertos a qualquer momento e em qualquer situação. Recomenda-se com veemência, porém, que reserves cerca de um minuto sempre que possível para fechar os olhos e repetir a ideia lentamente para ti mesmo várias vezes. É particularmente importante que utilizes a ideia imediatamente, se alguma coisa perturbar tua paz de espírito.

3. A presença do medo é um forte indício de que estás confiando em tua própria força. A consciência de que não há nada a temer demonstra que em algum lugar em tua mente, embora não necessariamente em um lugar que já reconheças, tu te lembraste de Deus e deixaste a força d'Ele tomar o lugar de tua fraqueza. No instante em que estiveres disposto a fazer isto, de fato, não há nada a temer.

*

COMENTÁRIO:

Explorando a LIÇÃO 48

"Não há nada a temer."

Teremos coragem e honestidade suficientes para admitir que não temos tanta certeza assim de que, como diz a ideia para as práticas de hoje, "não há nada a temer"? Ou a qualquer ruído estranho corremos a fechar portas e janelas, buscando proteger-nos e aos que estão próximos de nós de um "perigo" que, se pensarmos bem, só pode estar em nossa cabeça? Ou ainda não entendemos que "não há nada fora"? Ou não queremos entender?

E a ameaça nuclear dos países que têm bombas atômicas em seus arsenais de guerra e podem querer usá-las para atacar outros países, ou para se defenderem das ameaças de outros? E os países que estão tentando construir as bombas nucleares e fazendo testes com elas? E os fabricantes de armas, que contratam guerras para vender seu produto? E as armas químicas? As biológicas? 

E os venenos da indústria de defensivos agrícolas? E os venenos disfarçados em remédios que nos enfia goela abaixo a indústria farmacêutica? E os médicos e profissionais da medicina de hoje, a serviço das indústrias farmacêuticas? Médicos que nem olham para seus pacientes e mas os examinam, e que, a partir da descrição dos sintomas, recitam uma bateria enorme de remédios que não curam, mas entorpecem, amenizam os sintomas e viciam o paciente, para que ele se torne um consumidor constante daquele remédio.

E o terrorismo que põe em risco a vida de milhares de pessoas diariamente pelo mundo inteiro? E o tráfico de drogas, que requisita o serviço de milhares de jovens e crianças e as armas para defenderem seus pontos?

E a violência doméstica, na maior parte das vezes não denunciada ou declarada, que sofrem mulheres e crianças em seus próprios lares no mundo todo, sem que haja uma solução visível para ela, nem a longo, nem a médio, que dirá a curto prazo? 

E a violência que agride os que ousam pensar de modo diferente e buscar diferentes modos de exprimir sua alegria, sua individualidade? A violência contra os homossexuais? As lésbicas? Os/as transexuais? Os negros? Os imigrantes em países de pessoas que temem perder seus empregos para um estrangeiro? E a violência contra as mulheres? E a violência contra os que têm crenças diferentes das nossas? E a violência contra os que professam posições políticas diferentes das que temos?

E a poluição que ameaça destruir a vida natural do planeta, aquecendo-o até o ponto em que ele vai virar um inferno de fogo?

E os hackers? E os vírus de computador? E os conglomerados internacionais que sufocam a economia e perpetuam a pobreza e o subdesenvolvimentos dos países pobres?

E, e, e, e...?

Comecemos a explorar a lição antes de afundarmos em um mar de aparentes ameaças à vida em todas as suas formas como a conhecemos:

A ideia para hoje simplesmente declara um fato. Não é um fato para aqueles que acreditam em ilusões, mas ilusões não são fatos. Na verdade, não há nada a temer. É muito fácil reconhecer isto. Mas, para aqueles que querem que as ilusões sejam verdadeiras, é muito difícil reconhecê-lo.

Percebem a diferença que há entre buscar a sintonia com os Pensamentos de Deus, deixando para trás o mundo, e estar em sintonia com os pensamentos e crenças do ego?

O mundo é ilusão, é sonho, não criação de Deus. Reflete apenas aquilo que cada um de nós traz no interior de si mesmo. Se sintonizados à crença do ego na separação, vamos ver um mundo cheio de ameaças, de dor, de guerras, de tristezas, de mágoas, de ódios, ressentimentos, carências, escassez, depressão, violência, loucura e morte.

Ilusões que inventam e ampliam ilusões.

Não há nada a temer.

A menos que queiramos que as ilusões sejam reais, isto é, orientados pelo orgulho e pela pretensa onipotência do ego, acreditarmos que há no mundo alguma coisa de valor, algo pelo qual valha a pena lutar, algo pelo qual valha a pena viver.

Neste caso teremos medo de perdê-la e nos alinharemos àqueles para quem o mundo das aparências e das formas, da ilusão, tem alguma coisa que querem.

Não há nada a temer.

Por quanto tempo ainda vamos dar força às crenças do ego, e do mundo que ele inventou? Por quanto tempo ainda nos deixaremos enganar, acreditando que alguma coisa, pessoa, ou situação, fora de nós pode nos ameaçar, ferir ou matar?

É por isso que a lição nos instrui assim:

Os períodos de prática de hoje serão muito breves, muito simples e muito frequentes. Repete simplesmente a ideia tantas vezes quanto possível. Podes usá-la de olhos abertos a qualquer momento e em qualquer situação. Recomenda-se com veemência, porém, que reserves cerca de um minuto sempre que possível para fechar os olhos e repetir a ideia lentamente para ti mesmo várias vezes. É particularmente importante que utilizes a ideia imediatamente, se alguma coisa perturbar tua paz de espírito.

É particularmente importante que nos lembremos de aplicar a ideia: Não há nada a temer. se qualquer coisa se apresentar para perturbar nossa paz de espírito. 

Esta é uma das lições mais poderosas de todo o Curso, em meu modo de entender, e pode transformar nossas vidas num piscar de olhos, caso a levemos a sério, caso reconheçamos a verdade eterna que há em suas palavras, caso a pratiquemos e caso a apliquemos a partir de hoje a tudo e a todos em nosso dia-a-dia.

Como a lição nos orienta, por fim:

A presença do medo é um forte indício de que estás confiando em tua própria força. A consciência de que não há nada a temer demonstra que em algum lugar em tua mente, embora não necessariamente em um lugar que já reconheças, tu te lembraste de Deus e deixaste a força d'Ele tomar o lugar de tua fraqueza. No instante em que estiveres disposto a fazer isto, de fato, não há nada a temer.

É a isso que se refere o "não fazer nada" do Curso. Basta que nos lembremos de Deus e O aceitemos e acolhamos em nós e que deixemos a força d'Ele tomar o lugar de nossa fraqueza. Todos estamos convidados a fazer isso o tempo todo. Quando, de fato, o fizermos, reconheceremos, saberemos que não há nada a temer.

Às práticas, pois!

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

"Há um lugar em ti onde existe a paz perfeita."


LIÇÃO 47

Deus é a força na qual eu confio.

1. Se tu confias na tua própria força, tens todas as razões para ficar apreensivo, ansioso e amedrontado. O que podes prever ou controlar? O que há em ti com que se possa contar? O que te daria a capacidade de estar ciente de todas as características de qualquer problema e de resolvê-lo de tal modo que apenas o bem pudesse advir dele? O que há em ti que te dê o reconhecimento da solução correta e a garantia de que ela será alcançada?

2. Tu não podes fazer nenhuma destas coisas por ti mesmo. Acreditar que podes é colocar tua confiança onde a confiança não é justificada e confirmar o medo, a ansiedade, a depressão, a raiva e o pesar. Quem pode colocar sua fé na fraqueza e se sentir seguro? Mas quem pode colocar sua fé na força e se sentir fraco?

3. Deus é tua segurança em todas as circunstâncias. Sua Voz fala por Ele em todas as situações e em todos os aspectos de todas as situações, dizendo-te exatamente o que fazer para invocar Sua força e Sua proteção. Não há nenhuma exceção porque Deus não tem nenhuma exceção. E a Voz que fala por Ele pensa da mesma forma que Ele.

4. Hoje tentaremos ir além de tua própria fraqueza e alcançar a Fonte da força verdadeira. Quatro períodos de prática de cinco minutos são necessários hoje e insiste-se em períodos mais longos e frequentes. Fecha os olhos e começa, como de costume, pela repetição da ideia para o dia. Em seguida, passa um ou dois minutos em busca de situações às quais revestiste de medo em tua vida, descartando cada uma delas dizendo a ti mesmo:

Deus é a força na qual eu confio.

5. Tenta, agora, escapar de todas as preocupações relativas a tua percepção de falta de capacidade. É óbvio que qualquer situação que te cause preocupação está associada a sensações de falta de capacidade, pois, do contrário, acreditarias que podes lidar com a situação com sucesso. Não é acreditando em ti mesmo que vais adquirir confiança. Mas a força de Deus em ti é bem-sucedida em todas as coisas.

6. O reconhecimento de tua própria fragilidade é um passo necessário na correção de teus erros, mas raramente é um passo suficiente para te dar a confiança de que necessitas e à qual tens direito. Tu também tens de ganhar a consciência de que a confiança em tua força verdadeira é inteiramente justificada sob todos os aspectos e em todas as circunstâncias.

7. Na fase final do período de prática tenta ir fundo em tua mente para alcançar um lugar de segurança verdadeira. Tu reconhecerás que o alcançaste se experimentares uma sensação de paz profunda, ainda que breve. Abandona todas as coisas sem importâncias que se agitam e borbulham na superfície de tua mente, e desce mais para alcançar o Reino do Céu. Há um lugar em ti onde existe a paz perfeita. Há um lugar em ti onde nada é impossível. Há um lugar em ti onde a força de Deus habita.

8. Repete a ideia com frequência durante o dia. Utiliza-a como a tua resposta a qualquer inquietação. Lembra-te de que a paz é teu direito porque depositas tua confiança na força de Deus.

*

COMENTÁRIO:

Explorando a LIÇÃO 47

"Deus é a força na qual eu confio."

Percorremos já um longo caminho até aqui, não lhes parece? Quarenta e sete dias já. Quarenta e sete lições. E esta, para muitos, não é a primeira vez. Ainda bem, não?

E aqui onde é?

O ponto a que chegamos, ora. Esta lição. O ponto que nos permite praticar a ideia de que Deus é o Único Poder, a única força, em que podemos confiar, como nos diz a lição de hoje.

Vejamos, então, o que a lição tem a nos dizer para começar. Atenção, por favor.

Se tu confias na tua própria força, tens todas as razões para ficar apreensivo, ansioso e amedrontado. O que podes prever ou controlar? O que há em ti com que se possa contar? O que te daria a capacidade de estar ciente de todas as características de qualquer problema e de resolvê-lo de tal modo que apenas o bem pudesse advir dele? O que há em ti que te dê o reconhecimento da solução correta e a garantia de que ela será alcançada?

Temos mesmo todos os motivos para ficar apreensivos, ansiosos e com medo em qualquer situação que tenhamos de enfrentar, para a qual só pudermos contar com nossa própria força. Não podemos - não somos capazes de - controlar nada, prever nada.

Não é por isso que, antes de nos dirigirmos a um compromisso qualquer, a um encontro com alguém a quem tenhamos de mostrar nossas capacidades, nossas habilidades, alguém com quem tenhamos de negociar alguma coisa, ficamos trêmulos, confusos, inseguros?

Ora pensamos que o melhor é dizer isso, ora aquilo, ora que é melhor não dizer nada, não "abrir demais", e em geral ficamos com medo da resposta à pergunta que fazemos, via ego, a nós mesmos: "E se...?"

Ora, não seria melhor se confiássemos inteiramente em Deus e entregássemos a Ele, ao divino em nós mesmos, a situação e/ou o problema junto com o resultado e todas as pessoas envolvidas, incluindo-nos também aí? Joe Vitale, em seu livro, Marco Zero, diz: "Talvez a gente precise passar menos tempo pretendendo e mais tempo recebendo".

Deus é a força na qual eu confio.

Ainda precisamos refletir com vagar acerca do que dizemos quando pensamos precisar da ajuda de alguém e nos parece, quer dizer, temos a impressão de que parece não haver ninguém com quem possamos contar.

E Deus?

É certo que, se nem eu mesmo sou confiável para mim e, às vezes, sou capaz de fazer coisas de que "até Deus duvida", distraído de mim mesmo a maior parte do tempo, não há ninguém no mundo com quem possamos contar, se não nos entregamos e entregamos tudo em primeiro lugar à força de Deus. 

Ou ainda como sugere Joe Vitale, a partir de suas práticas com o ho'oponopono

"Se a Divindade está tentando nos guiar, precisamos silenciar para ouvir seus sussurros e sentir seus cutucões. Isso significa ficar em silêncio com mais frequência para praticar mais a meditação e ouvir mais a flores e árvores." E ouvir o mar, e os pássaros e os animais. As gentes ao nosso redor também.

Quando não fazemos isso, deixando-nos invadir pelos ruídos e pela estática do mundo do ego, e ficamos julgando nossa própria competência ou incompetência, a competência ou incompetência do(s) outro(s), comparando a disposição, ou a prontidão, que temos para ser de ajuda com a falta de disposição, ou prontidão, do(s) outro(s), a nosso modo de ver, tudo o que fazemos, na verdade é aprisionar-nos, e ao(s) outro(s), num julgamento que nos impede de ver de modo diferente e que reforça a crença na separação. 

Aí, é óbvio: não vamos ouvir a Divindade e muito menos seguir sua orientação. Tornamo-nos surdos a ela.

Deus é a força na qual eu confio.

Nada, mas nada mesmo no mundo, por mais que pensemos às vezes que sim - que somos especiais e temos habilidades que outros não têm -, pode nos dar a capacidade de ter consciência de todos os aspectos que estão envolvidos na resolução do menor dos problemas para solucioná-lo de um modo que traga apenas o bem geral como resultado.

Já sabemos que "todas as coisas cooperam para o bem", mas, em geral, temos grandes dificuldades para enxergar, por exemplo, de que modo uma tragédia como a que atingiu a população da Filipinas há bem pouco tempo atrás, ou a que atingiu mineiros e pescadores, além da fauna e da flora e moradores da região de Mariana, matando o Rio Doce, que era fonte de alimentos e de renda para grande parte da população de lá (e causando o desequilíbrio que culminou numa endemia de febre amarela no Estado de Minas Gerais, e que ameaça atingir os outros estados brasileiros) possa servir para o "bem" geral e/ou para o bem de qualquer dos envolvidos.

Esquecemo-nos da relatividade de todas as coisas no mundo, bem como de sua neutralidade. Esquecemo-nos a maior parte do tempo do livre arbítrio e não "conseguimos" [leia-se não queremos] compreender que não existem acidentes ou acasos e que em tudo o que acontece a nossa volta, nossa vontade, nosso desejo, está sendo atendida, ao mesmo tempo que a vontade de cada um daqueles com quem dividimos nossa aparente existência no tempo.

Deus é a força na qual eu confio.

Há alguma coisa em mim, em ti, que seja capaz, que nos autorize a reconhecer em quaisquer circunstâncias qual é a solução certa para um problema, para uma questão, e garantir que ela vai se realizar e trazer apenas o bem geral de todos os envolvidos?

"Tu não precisas fazer nada." Este é um dos ensinamentos centrais do Curso. Mas isto não significa cruzar os braços e esperar que tudo caia do Céu. Significa tão somente reconhecer e aceitar que, por nós mesmos, não somos capazes de lidar com todos os aparentes problemas que o mundo nos pede para enfrentarmos. Significa reconhecer e aceitar que há um Poder com que podemos contar, uma força à qual sempre podemos recorrer.

Deus é a força na qual eu confio.

É isso que a lição vai nos dizer em seguida. Ouçamos:

Tu não podes fazer nenhuma destas coisas por ti mesmo. Acreditar que podes é colocar tua confiança onde a confiança não é justificada e confirmar o medo, a ansiedade, a depressão, a raiva e o pesar. Quem pode colocar sua fé na fraqueza e se sentir seguro? Mas quem pode colocar sua fé na força e se sentir fraco?

Por que razão, para quê, nos voltamos para o ego e sua falsa força e pretensa onipotência, permitindo que só a insegurança, a dúvida, o medo, a ansiedade, a raiva, a tristeza e a depressão se apresentem em nossas vidas cada vez que precisamos lidar com uma questão que diga respeito a nossa felicidade?

Por que nos voltamos para o ego, se:

Deus é tua segurança em todas as circunstâncias. Sua Voz fala por Ele em todas as situações e em todos os aspectos de todas as situações, dizendo-te exatamente o que fazer para invocar Sua força e Sua proteção. Não há nenhuma exceção porque Deus não tem nenhuma exceção. E a Voz que fala por Ele pensa da mesma forma que Ele.

Às vezes, e até com uma certa frequência, somos capazes de perceber que a escolha que estamos fazendo, ou prestes a fazer, vai nos afastar da alegria, vai nos tirar a paz de espírito e nos fazer mergulhar no inferno, mas teimamos em fazê-la, não é mesmo?

Queremos ter razão. Que importa ser feliz, quando nosso "orgulho" está em jogo?

Nada, mas nada mesmo, vai nos tirar o gostinho de dar um tapa de luvas em alguém que pensamos nos ter ofendido de algum modo. Não será isso apenas nós nos deixando dominar pelo ego e por sua/nossa crença na separação?

Deus é a força na qual eu confio.

Prestemos, por favor, toda a atenção e sejamos o mais honestos possível quanto ao restante das instruções da lição de hoje para experimentarmos o contato com a Fonte da força verdadeira em nós: Deus.

A própria lição assegura que vamos ser capazes de reconhecer que chegamos à fonte de nossa segurança verdadeira, ao experimentarmos, além de todas as coisas sem importâncias que se agitam e borbulham na superfície de tua mente, ainda que muito brevemente uma profunda sensação de paz.

Atenção à verdade eterna das palavras da lição:

Há um lugar em ti onde existe a paz perfeita. Há um lugar em ti onde nada é impossível. Há um lugar em ti onde a força de Deus habita.

Às práticas?